Depressão

 

ATENÇÃO: Caso você esteja enfrentando um momento difícil ou se sentindo mal por algumas coisas, busque ajuda profissional. Ninguém tem que enfrentar nada sozinh@, somos uma grande comunidade, fale com alguém.

Hoje acordei fragmentado, quase aos pedaços por dentro. A sensação é estranha, mas estou acostumado ! Lido com a depressão desde meus 10 anos de idade, quando fui diagnosticado, tendo tido três crises mais intensas ao longo da minha vida, a primeira foi a pior. Na época eu era cristão e recorria à imagem de Jesus, pedia, orava e tentava todo tipo de berganha para conseguir me sentir inteiro, sentia algum sinal de alívio mas não durava mais do que alguns minutos.

No dia de hoje sinto alguns sintomas mais comuns para meu caso. Sinto ansiedade, uma angústia leve mas  intermitente, que agora soa como perene, mas passa à medida que busco alternativas. Tenho um vazio no peito e a cabeça fica meio agitada. Não tenho fome mas tenho uma necessidade de comer, que não passa após fazer isso. Revisito situações que me deixam pior, coisas que são parte da minha história e que são feridas abertas, feridas que não se curam porque também são feitas em peles compartilhadas, não consigo chorar naturalmente, suponho que a dor seja tão pungente que secou a cota de lágrimas de uma vida, minha solução é buscar vídeos no Youtube que possam liberar algum choro, se consigo pego carona e choro por tudo que quero chorar. Resolvi ir atrás do desfecho do caso da Sinéad O’Connnor e por algum motivo me motivei a escrever esse material, compartilhar como faço para me sentir melhor, voltando a fazer parte do mundo. Todos temos dias bons e ruins, levantamos animados ou esgotados, a vida é uma balança e todos sabemos disso. Muitas vezes essas lutas e oscilações são mais intensas que o usual e quero compartilhar soluções possíveis para aumentar seu conforto mas não se esqueça de procurar ajuda profissional e especializada viu 😉

Como relatei, em minha primeira crise, na época do meu diagnóstico, eu tinha cerca de 10 anos e enfrentava uma disputa judicial entre meus pais pela minha guarda, recorri aos elementos cristãos em minha vida, mas já era o período em que flertava com o paganismo. Minha segunda e terceira crises já foram comigo dentro do druidismo, aqui consegui construir práticas mais elaboradas e que surtiam efeitos mais profundos em mim (e claro, sempre recorri à tratamentos médicos). Acompanhe abaixo:

  1. Faça preces à Brighid. Não há uma receitinha pronta, não há um método único, simplesmente chame-a e diga à ela tudo que sente e como gostaria de estar. Conte-lhe suas angústias abrindo seu coração, isso permitirá sentir o retorno de deusa, ela lhe tocará certamente. Não há prece que Brighid não ouça !
    Como sentirá isso é um mistério, pode ser de muitas formas, mas se sentir como eu sinto poderá perceber um calor no peito, quase como se uma chama viva ardesse dentro de ti, e com isso conseguirá respirar com alívio;
  2. Abra janelas. Deixe o sol e o ar entrarem em sua casa. Coloque música. Se sentirá melhor ! Se isso não acontecer ou não sentir vontade para dar essa “agitada” pode ser interessante pedir para alguém fazer isso por você. Se não quiser, tudo bem, temos ainda outras opções;
  3. Use o que tem. Use seu oratório ou altar, queime velas e incensos, coloque a energia dele para se movimentar, certamente te trará conforto;
  4. Saia de casa. Pegue sol, muito sol. Pode ser difícil, eu sei, mas caminhe na rua um pouco, não precisa ir longe, as vá a algum lugar;
  5. Chore. As vezes estamos como uma panela de pressão por dentro, aliviar essa tensão colocando alguns fantasmas pra fora pode ser a salvação do dia;
  6. Ria, cante e fofoque. Pode ajudar muito viu ! Permita-se estar com outras pessoas nesses dias mais tempestuosos. Geralmente queremos isolamento, mas essa vontade é superficial, geralmente ela esta sufocando uma tremenda vontade de ver gente amada. Tente, se conseguir está ótimo, se não, tudo bem, tente outro mecanismo;
  7. Cristais. Use cristais. Faça um círculo deles, quaisquer, e sente-se no centro. Eles possuem força ancestral e te trarão equilíbrio. Simplesmente sente e relaxe, respire fundo e deixe sua mente livre;
  8. Nem tudo tem cura. Há feridas que não cicatrizam e você precisa entender isso. Nos vendem uma mentira de que tudo cura, tudo passa, mas não é verdade, há algumas que simplesmente são parte do que somos, e está tudo bem. Somos bel@s porque somos guerreir@s nessa jornada, e não há bom guerreir@ sem cicatrizes e feridas. Não somos de plástico e nossa carne sangra, mesmo após anos e anos de algo que nos tenha aberto buracos, mesmo elas deixando de ser tão fundas, podem simplesmente se manter ali. O segredo é aprender a lidar com isso.

Há muitas formas de aliviar essas sensações horrendas que você pode sentir, ou alguém perto de você, o importante é saber que há saídas, sempre há uma saída. Busque nas divindades o conforto que quer, busque em um feitiço ou ritual a força de que precisa nos momentos difíceis. As energias estão aí para todos os momentos, busque formas de se conectar também para se ajudar.

Em resumo: pegue sol, beba água e agarre na mão dos Deuses !

Compartilhe isso:

Sacerdote Nathair Dorchadas

Leave a Reply

Your email address will not be published.